Arquivo | Março, 2013

O que quer o Brasil com o ProSavana?

24 Mar

Os governos do Brasil, Japão e Moçambique estão iniciando a execução de um grande programa no norte de Moçambique, no chamado Corredor de Nacala, região que possui características físicas e ambientais muito similares ao Cerrado brasileiro. Apesar do padrão vigente de falta de informação às comunidades que serão afetadas ou, muito pior, da disseminação de informações distorcidas e contraditórias, o que se diz é que o ProSavana tem um horizonte de duração de 30 anos, abrangerá uma área estimada em 14,5 milhões de hectares nas províncias de Nampula, Niassa e Zambezia, onde cerca de 5 milhões de camponeses vivem e produzem alimentos para o abastecimento local e regional.

As comunidades camponesas estão concentradas exatamente onde está prevista a chegada dos investimentos do ProSavana. Apesar da ABC (Agência Brasileira de Cooperação) insistir na tese de que as críticas em curso decorrem de falhas de comunicação, o diálogo com organizações e movimentos sociais parceiros em Moçambique evidencia que o problema é mais grave: o Brasil está exportando para a savana moçambicana seus históricos conflitos entre o modelo de monoculturas em larga escala do agronegócio voltadas para exportação e o sistema de produção de alimentos de base familiar e camponesa. Continuar a ler

Anúncios

Posição da ADECRU sobre o Convite de Encontro dos Directores Executivos do BM

23 Mar

Um grupo de nove Directores Executivos do Banco Mundial-BM inicia hoje, 21 de Fevereiro de 2013, uma visita de trabalho à Moçambique que se prolongará até ao próximo dia 24 deste mês. Segundo o convite que a ADECRU recebeu da representação desta entidade em Maputo, “Durante a visita os Directores Executivos, os quais fazem parte do Conselho de Administração do BM, manterão igualmente encontros ao mais alto nível do Governo e Estado Moçambicano, no contexto da cooperação entre Estado Moçambicano e o Grupo Banco Mundial”.     

Paralelamente, o BM “convida as organizações da sociedade civil a participarem de um “Almoço-buffet” de Reunião a ter lugar, amanhã dia 22, no hotel Indy Village com os Directores Executivos do Banco Mundial”. “Este encontro” refere o convite deste organismo, “foi solicitado expressamente pelos Directores Executivos…. e o seu principal objectivo é o de ouvir das próprias organizações as suas lutas, esperanças, expectativas no contexto do desenvolvimento actual do país”. Curiosamente, a visita dos Directores Executivos do BM à Moçambique coincide com o lançamento e ampla divulgação de um alegado apoio às Organizações da Sociedade Civil no âmbito do novo programa denominado Parceria Global para Responsabilização Social (GPSA). O programa, gerido pelo BM , tem como objectivo “financiar iniciativas cívicas que promovam a participação política dos cidadãos, reforcem a política e tornem os governos mais atentos às preocupações dos seus cidadãos”. Continuar a ler

Sobre Nós

9 Mar

A Acção Académica para o Desenvolvimento das Comunidades Rurais (ADECRU) é uma organização da sociedade civil fundada em Outubro de 2007 por jovens estudantes universitários, numa acção mobilizadora entre os seus membros e os demais, constituindo-se como uma pessoa colectiva e de direito privado, dotada de uma personalidade jurídica e sem fins lucrativos, cujo objectivo é impulsionar os focos da consciência cidadã e a agenda de desenvolvimento local, promovendo maior envolvimento e interacção entre os vários actores nacionais e internacionais em prol do desenvolvimento das comunidades rurais.

Quem somos nós?

9 Mar

A Acção Académica para o Desenvolvimento das Comunidades Rurais (ADECRU) é uma organização da sociedade civil fundada em Outubro de 2007 por jovens estudantes universitários, numa acção mobilizadora entre os seus membros e os demais, constituindo-se como uma pessoa colectiva e de direito privado, dotada de uma personalidade jurídica e sem fins lucrativos, cujo objectivo é impulsionar os focos da consciência cidadã e a agenda de desenvolvimento local, promovendo maior envolvimento e interacção entre os vários actores nacionais e internacionais em prol do desenvolvimento das comunidades rurais.