Arquivo | Abril, 2015

Comunidades rejeitam a implementação do ProSAVANA e abandonam a sala de reunião de auscultação pública em Malema

30 Abr
Auscultação do Prosavana em Mutuale, Distrito de Malema

Auscultação do Prosavana em Mutuale, Distrito de Malema

(Mutuale, 29 de Abril de 2015) – Apesar dos representantes do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA) que orientam as auscultações públicas do Programa ProSAVANA ao nível dos distritos e postos administrativos de Niassa, Nampula e Zambézia, entre os dias 20 e 29 de Abril, estarem a forçar camponeses a aceitarem a implementação do ProSAVANA em reuniões fechadas que antecedem às auscultações, esta Terça-feira (28 de Abril) camponeses e camponesas de Mutuale, Distrito de Malema à semelhança de outras auscultações não se deixaram intimidar rejeitando publicamente o ProSavana. Continuar a ler

Anúncios

Moçambique: NÃO aos açambarcadores de terras

15 Abr

(Terça-feira, 14 de Abril de 2015) – Uma trintena de missionários e missionárias combonianos que trabalham nas províncias combonianas da Europa participaram no “Simpósio de Limone 2015”, um evento organizado pelo Grupo Europeu de Reflexão Teológica (GERT), de 7 a 11 de Abril de 2015, na casa natal de Comboni, em Limone sul Garda (Itália). O tema deste ano foi: “Ser boa notícia hoje na Europa: consolidar, aprofundar e imaginar”. No final do Simpósio, os participantes assinaram um comunicado para condenar o projecto do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar do Governo de Moçambique que vai conceder 102 mil quilómetros quadrados de terras férteis (a superfície total de Portugal é de 92.090 quilómetros quadrados) ao consórcio privado ProSAVANA, constituído por empreendedores moçambicanos, japoneses e brasileiros. Publicamos de seguida o comunicado dos missionários. Continuar a ler

PACS se posiciona contra acordos para facilitação de investimentos brasileiros em Moçambique e Angola.

14 Abr

Nota do PACS sobre o novo acordo de cooperação e facilitação do investimento entre Brasil e Moçambique

Rio de Janeiro, 09 de Abril de 2015

Brasil e Moçambique acabam de assinar um acordo para a facilitação e proteção do investimento. Para ser ratificado pelo Brasil, ele precisará ainda passar pelo Legislativo brasileiro. Trata-se, em princípio, não de uma relação igual e recíproca, uma vez que Moçambique não tem investimentos no Brasil. Do lado brasileiro, sim, há investimentos de empresas multinacionais brasileiras no país localizado na costa do oceano Índico, além de diversos projetos de cooperação. As relações comerciais do Brasil com países africanos aumentaram significativamente a partir do governo Lula. Chama atenção esse primeiro acordo brasileiro ter sido firmado com um país africano, uma vez que é a América do Sul o principal território de expansão das multinacionais brasileiras. Na África, Angola é o principal receptor de investimentos (com destaque para a Odebrecht, no país há mais de 20 anos)[1], enquanto Moçambique é o principal receptor de projetos da chamada “cooperação para o desenvolvimento”, uma área inovadora da política externa brasileira do governo Lula, quando o Brasil passa a ser um doador internacional.

Veja aqui o posicionamento completo: